NOVOS RUMOS: A ENTRADA PARA A VIDA PÚBLICA

A participação em entidades de fomento à indústria faz nascer em Marcio a vontade de colaborar mais ativamente com o desenvolvimento do país. Ele vende a Batik e reduz as atividades da Construtel. Em 2001, passa a colaborar com a Federação das Indústrias de Minas Gerais, presidindo os conselhos de Desenvolvimento Tecnológico e Desenvolvimento Regional.

Em 2003, aceita o convite para assumir a função de secretário-executivo (o mesmo que vice-ministro) do Ministério da Integração Nacional do governo Lula, na gestão de Ciro Gomes.

Marcio representou o Ministério em inúmeros projetos, entre eles, o de Acompanhamento do Fundo de Combate e de Erradicação da Pobreza. Foi responsável pela coordenação das ações de ajuda humanitária a vítimas de enchentes no Brasil.

No Ministério, ficou evidente a sua competência, também, na gestão pública. Em 2007, ele recebe e aceita o convite do então governador Aécio Neves para assumir a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais.

Como Secretário, conduziu negociações que resultaram na atração de investimentos da ordem de R$ 30 bilhões para Minas e levou para a então ministra Dilma Rousseff a proposta para viabilizar a expansão do metrô de Belo Horizonte.