Legião de voluntários pelo bem da cidade

Considerado uma das principais ações cidadãs do país, em um ano, projeto Cidadão Auditor já atraiu 39 mil adeptos

É possível existir uma cidade onde o morador seja convidado a ajudar o prefeito na fiscalização da limpeza e na manutenção das ruas? E, se nessa cidade, a administração procurasse, através de entrevistas semanais, saber como está a situação naquela via? Isso é possível e faz parte da realidade em Belo Horizonte.

Através do programa Cidadão Auditor, implantado em 2011, 39 mil belo-horizontinos colaboram voluntariamente com a prefeitura. Eles informam, toda semana, como está a varrição de ruas, a coleta de lixo e o estado das lixeiras. A aposentada Sandra Cruz, moradora do bairro Nova Vista, na região Leste, é um auditora voluntária. Para ela, a ação, criada na gestão Marcio Lacerda,  facilita a vida do cidadão. “Antes, era mais difícil: tínhamos que ligar ou ir até a prefeitura para questionar algum problema. Agora, como respondemos tudo por telefone, temos mais agilidade na solução. Hoje posso dizer que somos parceiros da prefeitura”.

Assim como Sandra, a maioria dos cidadãos auditores é formada por aposentados, donas de casa e comerciantes. O critério de escolha foi importante porque essas pessoas geralmente ficam mais tempo em casa ou no comércio e, assim, conseguem monitorar os serviços prestados nas vias.

Na prática

O trabalho começou com técnicos que mapearam quase 5.000 km de ruas da capital. Eles cadastraram os cerca de 39 mil cidadãos que se dispuseram a aderir ao projeto. Uma vez cadastrados, os moradores passaram a receber – nos horários e dias definidos por eles próprios – as ligações digitais através das quais respondem ao questionário sobre a frequência dos serviços de limpeza e manutenção. Problemas como a existência de depósitos clandestinos de lixo e  bueiros sem tampa também são informados nas entrevistas.

Com o simples teclar dos números no telefone eles dão os dados que ajudam a prefeitura a definir as ações que vão melhorar a prestação do serviço. “O morador deixa de ser reclamante e passa a agir como um fiscal. É, sem dúvida, a maior rede cidadã do Brasil. Tanto que o candidato à prefeitura de São Paulo, José Serra, se encantou pelo projeto e pretende implantar algo nos mesmos moldes como uma das plataformas de campanha”, explicou Ricardo Prius, proprietário da empresa que elaborou o programa.

Com tantos fiscais espalhados pelas nove regionais, a prefeitura consegue manter ruas mais limpas e assim oferecer maior qualidade de vida ao cidadão. Bom para belo-horizontinos como o comerciante  Jaynor Almeida, que aderiu ao projeto e hoje comemora os resultados.  “Está uma beleza! Tem limpeza do quarteirão toda semana. Está tudo bem melhor agora”, comemora o morador do bairro São Tomaz, na região Norte, que hoje ajuda a cidade como um dos cidadãos auditores.

 

Outras Realizações